Sete de setembro: Dia da Independência ou Dia da Desonra Nacional?!

"Verás que um filho teu não foge à luta..."


“Palavra puxa palavra, uma ideia traz outra, e assim se faz um livro, um governo, ou uma revolução.” – Machado de Assis

Há menos de uma década para completarmos 200 anos de Independência, questiono-me se realmente somos independentes. O Brasil tem vivido de aparências... Programas governamentais que simplesmente servem apenas para cobrir corrupções de “nossos representantes” e muitos brasileiros insistem em manter os olhos fechados diante de muitas causas... Pergunto-me de que adiantou declararmos independência de Portugal se ainda somos dependentes de um sistema corrupto, de uma mídia manipuladora e das distrações promovidas “intencionalmente” pelo governo?!
Ontem, foi comemorada em todo o país essa data que marca a nossa “liberdade” de Portugal, milhares de brasileiros deixaram seus lares para prestigiarem os “Desfiles Cívicos” que sempre acontecem nas capitais brasileiras. Outros também deixaram suas casas para estarem no Estádio Nacional de Brasília (alguns não sabem escolher suas prioridades, acredite!). Mas, ainda bem que MILHARES de “GUERREIROS” FORAM às RUAS, em TODO o país, LUTAR por uma NAÇÃO mais JUSTA e por um FUTURO MELHOR para as novas gerações.

"Nunca vi o dia da independência tão verde e amarela, porém isso me deixa muito triste.
 Um grande problema dos brasileiros é vincularem o patriotismo com o futebol, a seleção.
 Hoje o Brasil estava verde e amarelo mais pelo motivo errado, o brasileiro deve perceber que
 o Brasil é muito mais que futebol 
 e quando isso acontecer poderemos, então, cobrar este respeito do restante do Mundo.
Somos mais que futebol. Somos uma nação!" (Ketlly Schimith)

Já ouvi muitos dizerem que o “Gigante não acordou” e que todas essas manifestações não passam de “fogo de palha”. Mas, assim como o poema de Edson Marques que diz: “Mude, mas comece devagar porque a direção é mais importante que a velocidade...”, assim tem sido as manifestações. Podem ser poucas e apresentar um número reduzido de pessoas em cada canto, porém o impacto que tais têm causado desde o mês de junho de 2013 tem sido enorme. Penso que não procuramos quantidade e sim qualidade, pessoas capazes de vestirem a camisa, agarrarem com ousadia essa causa e saberem o porquê de estarem nas ruas, pois, segundo o Ministro Presidente do STF,
Somos o único caso de democracia no mundo em que condenados por corrupção legislam contra os juízes que os condenaram. Somos o único caso de democracia no mundo em que as decisões do Supremo Tribunal podem ser mudadas por condenados. Somos o único caso de democracia no mundo em que deputados, após condenados, assumem cargos e afrontam o judiciário. Somos o único caso de democracia no mundo em que é possível que, condenados, façam seus habeas corpus, ou legislem para mudar a lei e serem libertos (Joaquim Barbosa).

E ainda complemento: somos o único caso de democracia em que o indivíduo é julgado em última estância e ainda assim tenta “recorrer ao processo”. Por isso, não protestamos apenas por protestar, ou porque achamos bonitinho, ou porque “virou moda” (como muitos dizem) e muito menos para ficarmos postando “fotos” no facebook para dizer que estamos fazendo o nosso papel como todo cidadão bom. Protestamos, porque somos jovens, temos sonhos, temos direito e queremos um país menos devastado do que já está e que se torne um país verdadeiramente democrático.
  Portanto, o que presenciamos no dia sete de setembro de 2013 não foi apenas vergonhoso para o governo, mas para todos nós brasileiros. E sim, o governo conseguiu distrair boa parte da população, mas não foi o suficiente para quem tem garra e sede de mudança e que deseja ver se cumprir as linhas da nossa Constituição Federal de 1988. Isso tudo sem mencionar o “tratamento animal” dado aos manifestantes por policiais, que também são explorados, mas que alegam estarem cumprindo “o dever” diante do Estado. Assim, de acordo com a blogueira Ketlly Schimith, “nunca vi o Dia da Independência tão verde e amarelo e o Brasil estava assim pelos ‘motivos errados’”.   

Então, se você fica dizendo que “o Gigante não acordou”, que essas manifestações não darão em nada, que não passam de um simples “alvoroço” e que também não “veste a camisa”, faça um favor: não fale coisa com coisa e nem critique quem protesta no seu lugar. Se não quer ir, não vá, continue preocupado com as suas “prioridades”, porque nós lutamos por você e nos preocupamos por uma educação, segurança, saúde e Governo de qualidade, por um amanhã “decente” para nossas gerações e que se faça valer o conceito de democracia na prática.

"Brasília nunca foi tão verde e amarelo (17 de junho de 2013)" -
Ocupação das cúpulas do Congresso Nacional
- Uma jovem estranha *-*

Nenhum comentário

Postar um comentário

Layout por Maryana Sales - Tecnologia Blogger